Desde que o novo coronavírus chegou ao Brasil, milhares de cirurgias, consultas e exames foram cancelados ou adiados para depois da pandemia. Enquanto pacientes adoecem em filas, a ociosidade ameaça centenas de clínicas privadas de médio porte, que se preparam para demitir até 350 mil pessoas.

Deverão perder o emprego enfermeiros, auxiliares de enfermagem, técnicos e trabalhadores da administração — mão-de-obra que poderá fazer falta quando chegar a hora de cuidar dos pacientes que se acumularam durante a pandemia.

Desde o início da crise sanitária, aproximadamente 70% das cirurgias foram suspensas no Brasil, segundo o Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Cerca de 45 mil pessoas podem morrer nos próximos meses por cânceres não tratados nesse período.

A queda no atendimento médico se deve em parte à recomendação da ANS (Agência Nacional de Saúde), em 13 de março, para que os usuários de planos de saúde adiassem consultas, exames e cirurgias que não fossem urgentes para evitar possível contaminação por covid-19.

A sugestão foi revista na semana passada (9), quando a ANS voltou a recomendar a retomada dos procedimentos. O estrago para os hospitais privados de médio porte, no entanto, estava consumado.

R$ 6 bilhões por mês

O prejuízo de hospitais, clinicas e laboratórios beira os R$ 18 bilhões —são R$ 6 bilhões ao mês que os planos de saúde deixaram de repassar a eles desde então. A estimativa é do SindHosp (Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios de São Paulo), que colheu os dados de federações hospitalares estaduais.

“Em média, os hospitais tiveram queda de 60% das ocupações, cerca de R$ 6 bilhões ao mês que deixaram de entrar para os prestadores sem os desembolsos dos planos”, afirma o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp e ex-presidente da IHF (International Hospital Federation).

Demissões à vista

Parte do prejuízo financeiro recairá sobre os trabalhadores da saúde, setor que gera 3,5 milhões de empregos no Brasil. “Muitas instituições podem fechar. Mas calculamos que 10% da força de trabalho, em média, sejam cortados no país, cerca de 350 mil pessoas”, diz Balestrin.

Ele explica que os mais prejudicados serão enfermeiros, auxiliares de enfermagem, técnicos e trabalhadores administrativos. “Os médicos serão pouco afetados porque são profissionais liberais”, diz.

Hoje esses trabalhadores recebem palmas na televisão, mas depois da pandemia muitos perderão o emprego. Vão sobrar as palmadas. Francisco Balestrin, presidente do SindHosp.

Tsunami depois da pandemia?

Sem dinheiro e mão de obra, hospitais e clínicas terão dificuldade em atender a fila que se formou. “A busca pelos hospitais será grande, um tsunami”, compara o Balestrin. “Agora é a hora da marola: não estamos pegando nada, nem fazendo caixa. De repente virá uma onda gigante de cirurgias em pacientes com doenças crônicas que não foram cuidadas.”

Procurado, o sindicato dos trabalhadores da categoria afirmou que, “por enquanto, o patronal não comunicou o laboral a respeito” das demissões. “Esses trabalhadores se mantiveram firmes e fortes no combate ao coronavírus e movimentando a economia”, afirma o diretor do SinSaúde, Edgar Veloso.

“Precisamos garantir os empregos porque os pacientes continuarão vindo aos hospitais particulares, já com poucos funcionários, e que não podem deixar de atender a população que paga seus planos”, diz.

“Bolsa Strogonoff”

O SindHosp responsabiliza o governo federal pelo prejuízo. O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) liberou uma linha de crédito de R$ 2 bilhões para os hospitais com faturamento acima de R$ 300 milhões, “o equivalente a 60 instituições” entre os 2.200 hospitais privados brasileiros com fins lucrativos.

O que faz com os outros? É como se o governo desse um ‘bolsa strogonoff’ para a classe média não passar fome na pandemia. Francisco Balestrin, presidente do SindHosp.

Ao UOL, o Ministério da Saúde não comentou o socorro aos hospitais de grande porte. Afirmou em nota que “repassou auxílio financeiro emergencial de R$ 2,2 bilhões às santas casas e hospitais filantrópicos”.

Planos perdem clientes

A redução de gastos por parte das operadoras de saúde “é temporária”, acredita José Cechin, superintendente executivo do IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar).

“Assim que abrandarem as condições de distanciamento físico, os eletivos postergados serão retomados e os gastos com covid-19 irão se sobrepor aos gastos normais esperados para o ano”, prevê.

“Isso impacta ainda mais as pequenas operadoras, com menor estrutura.” Quem perdeu o plano de saúde na pandemia, no entanto, deverá engrossar a fila do SUS (Sistema Único de Saúde). O mês de abril recebeu o menor número de adesões aos planos médicos dos últimos 12 meses e viu os cancelamentos ultrapassarem as adesões em 70 mil vidas, segundo o IESS.

Dos 38 milhões de brasileiros com plano coletivo, 31 milhões estão vinculados a planos empresariais. “Como os planos seguem de perto o emprego formal, o seu número poderá cair junto com o aumento do desemprego”, avalia Cechin.

Atendimento recomeça

A recomendação da ANS para adiar o atendimento médico livrou a agência da obrigação de suspender a venda dos planos médicos que descumprissem os prazos. Ela sugeriu a retomada dos procedimentos na semana passada ao afirmar que há “condições adequadas de atender à demanda sem prejudicar o atendimento de covid-19”.

Para o advogado especializado em direito à saúde Rafael Robba, a recomendação da ANS prejudicou o consumidor.

“Por mais que a ANS não tenha proibido as cirurgias eletivas, permitir a suspensão já é um problema”, diz. “Sem prazo falta transparência porque as operadoras podem negar procedimentos e deixar o consumidor sem resposta definitiva para cirurgias importantes.”

Em nota, a ANS afirmou que “a flexibilização de alguns prazos (…) teve o objetivo de evitar o colapso da rede de atendimento das operadoras, dando prioridade ao atendimento aos casos graves da Covid-19” e seguiu “recomendação” de “autoridades sanitárias do Brasil e do mundo”.

“Em nenhum momento houve determinação ou recomendação de suspensão ou cancelamento de procedimentos de saúde eletivos por parte da Agência”, afirma. A ANS diz que manteve “obrigatória a garantia das coberturas do Rol de Procedimentos”, cabendo ao médico a avaliação quanto ao adiamento de procedimentos.” “Durante o período que durou a flexibilização, a ANS manteve os prazos vigentes à época para procedimento.

“Durante o período que durou a flexibilização, a ANS manteve os prazos vigentes à época para procedimentos de urgência e emergência e para tratamentos continuados ou cuja interrupção pudesse causar algum risco à vida dos pacientes.”.

Fonte: UOL Notícias